Mafalda Almeida é nutricionista e autora do blogue Loveat.

Captura de tela 2015-12-03 15.38.25

Licenciada em Ciências da Nutrição e mestre em Politicas alimentares, Mafalda Almeida sempre teve uma enorme paixão pela forma como a alimentação influencia a saúde e o bem-estar das populações. “Adoro cozinhar e partilhar conhecimento e foi nesse sentido que publiquei o livro “Gourmet em Casa” e, mais tarde, o blogue Loveat onde posso chegar a mais pessoas e mudar a forma como encaramos a alimentação. Tenho a sorte de adorar o que faço e de trabalhar com gosto envolvendo-me em projetos com os quais me identifico e nos quais acredito.”

“A minha forma de encarar a alimentação é muito descontraída e equilibrada e acredito que esse é o segredo de um corpo e mente saudáveis. É nesse sentido que transmito os meus conhecimentos e dessa forma que tento educar todas as pessoas que me seguem e me procuram. Os alimentos que uso de uma forma diária são acessíveis, saudáveis e que, entre si, criam uma sinergia perfeita”, afirma a Mafalda.

Alimentação saudável nas crianças começa em casa

“Na minha opinião as mudanças vêm do ceio familiar. Parece incrível mas por muito que os professores e educadores tentem incutir hábitos de alimentação saudáveis, muitas vezes os próprios pais não defendem nem seguem esse estilo de vida. Sendo que as crianças aprendem muito por imitação de comportamentos acredito que é crucial que os pais e as famílias tenham uma alimentação saudável e equilibrada em casa.”

Alimentação saudável na escola

“Nas escolas é também muito importante o contacto com a terra, com as hortas, com os alimentos no seu estado natural. Muitas crianças não sabem que forma, que cor ou que cheiro têm os alimentos o que faz com que tenham menos curiosidade em prová-los e até algum receio.

Está provado em inúmeros estudos que crianças e jovens que contactam com a natureza e as hortas têm uma alimentação mais diversificada e, consequentemente, melhor desempenho escolar e intelectual.

Felizmente a mentalidade está a mudar muito. As pessoas estão mais alerta para uma alimentação saudável, preocupam-se mais em serem ativas e em fazer praticar uma medicina preventiva. É certo que ainda falta muito para lá chegar porque o factor comodismo de comprar alimentos processados já preparados para as refeições e lanches é muito mais prático. Mas julgo que estamos a evoluir num sentido muito positivo.

Já existem algumas escolas com máquinas de vending e produtos biológicos, com refeições vegetarianas no refeitório e com hortas para as crianças terem aulas. Mas gostava de ver estas tendências em muito mais escolas, que os professores fizessem um esforço maior para incutir a educação alimentar tornando-a atractiva, que os refeitórios das escolas deixassem de vender sobremesas doces de forma regular, que os bares das escolas deixassem de vender bolos, folhados e refrigerantes. Enfim, passo a passo acho que lá chegaremos.”

As receitas da Mafalda:

Anúncios